QUEM SOMOS

Melhorando vidas através de melhores dados

O Sistema de Vigilância de Eventos Vitais e Causas de Morte (COMSA) em Moçambique visa melhorar a vida dos moçambicanos, produzindo dados contínuos anuais sobre a mortalidade e as causas de morte a nível nacional e provincial, para uso pelo governo e pelos decisores politicos. Este sistema será um modelo para outros países da região.

O COMSA é implementado e liderado pelo governo de Moçambique através do Instituto Nacional de Estatística e do Instituto Nacional de Saúde com assistência técnica da Universidade Johns Hopkins.

Nossos objectivos até 2020

O objectivo a longo prazo do COMSA é melhorar a saúde dos moçambicanos produzindo dados sobre mortalidade e as causas de morte que podem servir de base para os programas e políticas de saúde em Moçambique. Este sistema será um modelo para outros países com pouco conhecimento sobre as causas de morte.

Até o ano de 2020, o COMSA pretende:

Estabelecer um sistema nacional de vigilância de mortalidade em Moçambique

Gerar estimativas robustas de mortalidade e causas de morte representativas a nível provincial e nacional

Envolver o governo e partes interessadas a compreenderem e utilizarem os dados do COMSA para a tomada de decisões sobre políticas e programas

Sobre Moçambique

Moçambique é um país da África Oriental com cerca de 29 milhões de habitantes. É um dos poucos países da Africa Subsariana que alcançou o 4º Objectivo de Desenvolvimento do Milénio, reduzindo a mortalidade em menores de cinco anos em dois terços até 2015. A mortalidade em menores de 5 anos foi estimada em 79 mortes por cada 1000 nados vivos em 2015. Para alcançar a meta recém definida nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) de mortalidade em menos de cinco anos até 25 em 2030, exigirá maiores esforços dos programas de saúde na medição oportuna e precisa da mortalidade e das causas de morte.

OS DESAFIOS

Abordagens inovadoras são urgentemente necessárias para apoiar Moçambique a monitorar as tendências da mortalidade e causas de morte na sua população. Actualmente, Moçambique não possui um sistema de registo civil e de estatísticas vitais que seja capaz de produzir dados de mortalidade completos e de alta qualidade. O país tem realizado inquéritos aos Agregados Familiares a nível nacional para medir a mortalidade, mas os dados de mortalidade reportados por estes inquéritos não são actualizados e não refletem o impacto da implementação dos programas.

FACTOS SOBRE MOÇAMBIQUE

81.000 crianças abaixo de cinco anos morreram em 2017.

Complicações da prematuridade, pneumonia e malária são as principais causas de morte de crianças menores de cinco anos de idade.

5300 mulheres morreram em 2015 devido a complicações da gravidez ou do parto.

NOSSOS PARCEIROS

Com quem trabalhamos

O COMSA é implementado pelo Governo de Moçambique através do Instituto Nacional de Estatística (INE), do Instituto Nacional de Saúde (INS), do Ministério da Saúde (MISAU) e do Ministério da Justiça, Assuntos Constitucionais e Religiosos (MJACR), com assistência técnica do Instituto de Programas Internacionais (IIP) na Universidade Johns Hopkins e financiado pela Fundação Bill & Melinda Gates.

Computer coded verbal autopsy (CCVA) algorithms are commonly used to generate burden of disease estimates using data from verbal autopsy surveys in low and middle income countries with poor vital registration data on causes of death.

Johns Hopkins Bloomberg School

of Public Health (JHSPH)

615 N. Wolfe Street, Baltimore, MD 21205

United States

Instituto Nacional de Saúde (INS)

Vila De Marracuene, Estrada Nacional N°1,

Parcela N°3943,

Província De Maputo – Moçambique


Instituto Nacional de Estatística (INE)

Av. 24 De Julho 1989 Caixa Postal 493,

Cidade De Maputo – Moçambique